segunda-feira, 8 de novembro de 2010

São Martinho 2010

A chegada do Senhor de Mello, confrade estreante que muito enriqueceu a sessão anual, em substituição do Irmão Tibério Lopes, perdido nas acções de formação e extenuantes trabalhos que são apanágio da administração.

6 comentários:

Família Botelho de Gusmão disse...

Caríssimo Guardião

Nesta generalizada véspera de noite de São Martinho, venho trazer rasgados elogios à sessão deste ano da Irmandade.

Desde a chegada do novo irmão Mello, em substituição definitiva do irmão Lopes, às profundas intervenções de cada um, passando pela serenidade do povo presente e acabando na elevada lição de sapiência do provador 2010 dirigida aos presentes.

O vinho arenoso é de qualidade e recomenda-se para outros repastos e divagações. Que seja bem guardado...até lá!

A fotoreportagem da sessão foi ímpar! Palavras e fotos não podiam ser outras.

Saúde

O Irmão

Sampaio, o mais alto.

Família Botelho de Gusmão disse...

Veneráveis Irmãos

Houve realmente pontos altos. Concordo!
Mas, meus irmãos, a verdade é que eu nunca vi tanta inovação, tanta mudança, tanto progresso!

E a tradição? Sim, e a TRADIÇÃO? A tradição já não é o que era, dirá o povo, na sua sapiência...

Quem nos defende das modernices? Quem nos defende de inovações ao Deus dará, sem Rei nem Roque, e por dá-cá-aquela-palha? Quem nos defende da adulteração do espírito dos nossos egrégios antepassados? Quem zela por uma irmandade ébria, una e temente?

Meus Irmãos... não quero apontar dedos, nem garrafas, nem pipas... mas todos sabeis que estes ventos de mudança nada de bom trazem e que os responsáveis devem ser punidos. A começar por um certo irmão Tibúrcio, ou Tibério, que renegou a irmandade... e por tuta-e-meia... por causa de uma certa intervençãozita sobre a jumentude, que os maldizentes dizem ter feito dormir os idosos e dado comichão aos mais novos.

E o regimento? para que nos serve um regimento violável, que tudo permite?

E o Guardião? de que nos Guarda? nem de falsos abridores de pipas, que fará destes ventos de mudança que corrompem e destroem as seculares tradições, a moral, os costumes e a família.

Tenho dito!
JP

Família Botelho de Gusmão disse...

Eu me confesso

Se na palavra dita nada digo - um bloqueio atroz me afoga - a voz da palavra escrita permite-me um desafogo consolador.
Um dia hei-de ser outro, aturar-me-ão os confrades quqndo eu aboiar os óculos e pregar uma seca de palavras ditas, gratuitas, esforçadas - uma estopada.

O da Canada.

Gisela Gusmão disse...

Divinal!
Uma eloquência de irmãos ébrios invejável!
Bem-hajam!

Do Povo,
uma mulher de Irmão, Guardião, por título.

JBS disse...

Está a tradição em maus lençóis? -não é vverdade. A pinga era da melhor qualidade, claro está, da Ponta Garça, mais precisamente das Areias, logo passando o encanto das Grotas Fubdas. Os irmãos ausentes, com ou sem razões ponderosas, fizeram a mesma falta que a viola no enterro dos seus ossos...
Para o ano que vem, arranjamos uma caixa para os seus venerandos ossos a enterrar no fundo da cisterna.

Família Botelho de Gusmão disse...

Grande JBS!